site Amigo da Luz

O que são os sacramentos da Igreja?

batismo sacro

Ao contrário do que muitos podem pensar, os sete sacramentos não são apenas "rituais simbólicos" com fins pedagógicos. Os sinais sensíveis do Batismo, da Eucaristia e da Confirmação, bem como as celebrações dos outros quatro sacramentos da Igreja, certamente podem ensinar muito ao povo cristão, mas a sua ação principal consiste em infundir a graça santificante nos homens. Diferentemente dos sinais humanos, que só remotamente reportam ao que significam, "os sacramentos da Nova Lei são, ao mesmo tempo, causas e sinais", diz Santo Tomás de Aquino. Eles não só simbolizam, como "efficiunt quod figurant – realizam o que representam" (S. Th., III, q. 62, a. 1, ad 1).
Para entender como eles atuam, é importante considerar a ligação desses sinais com a humanidade da Pessoa de Cristo e com a Sua Paixão. Essa empresa é levada a cabo de modo brilhante pelo Doutor Angélico (cf. S. Th., III, q. 62, a. 5), que ensina o seguinte:
"O sacramento opera causando a graça a modo de instrumento. Há, de fato, dois tipos de instrumento: um separado, como o báculo; e outro conjunto, como a mão. Pelo instrumento conjunto se move o instrumento separado, como o báculo é movido pela mão. A principal causa eficiente da graça é o próprio Deus, a quem a humanidade de Cristo é comparada como instrumento conjunto e o sacramento, como instrumento separado. Por isso, é oportuno que a virtude salvífica provenha da divindade de Cristo por sua humanidade nos próprios sacramentos.
Vê-se que a graça sacramental se ordena a duas coisas principais: tirar as faltas dos pecados passados – já que, passado o ato, permanece a culpa – e aperfeiçoar a alma no que pertence ao culto de Deus segundo a religião cristã. É manifesto que Cristo livrou-nos de nossos pecados principalmente por sua paixão, não só de modo eficiente e meritório, mas também satisfatório. De modo similar, pela sua paixão, iniciou o rito da religião cristã, oferecendo-se a si mesmo como 'oblação e vítima a Deus' (Ef 5, 2). De onde é manifesto que os sacramentos da Igreja tiram a sua força principalmente da paixão de Cristo, com cuja força somos colocados em contato pela recepção dos sacramentos. Como sinal dessa conexão, do lado de Cristo pendente na cruz fluíram sangue e água, um referente ao batismo e o outro à Eucaristia, que são os principais sacramentos."
Na Cruz, portanto, Jesus morreu pela humanidade inteira, estendeu a salvação para absolutamente todos os homens. Embora tenha padecido por todos, porém, Ele não salva senão muitos (cf. Mt 26, 28; Mc 14, 24), e isso não por um defeito de Sua obra de redenção – os méritos de Cristo em Sua paixão são suficientes para salvar a toda a espécie humana, desde Adão e Eva até o último homem da história –, mas por conta dos seres humanos mesmo, livres que são para aceitarem ou negarem a Deus. "Poculum humanae salutis habet quidem in se, ut omnibus prosit: sed si non bibitur, non medetur – O cálice da salvação humana certamente tem em si que sirva em proveito de todos, mas, se não for bebido, não cura" (Sínodo de Quiercy [maio de 853]: DH 624).
Para que a redenção atue eficazmente em nossa vida, Cristo fixou um período, que vai desde a Sua Páscoa até o fim dos tempos, e que se chama de "economia sacramental": neste tempo, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, Deus feito homem, age à semelhança de um carpinteiro que, para trabalhar, não dispensa o uso de suas ferramentas. Como Deus que é, Jesus pode muito bem infundir a Sua graça diretamente nas pessoas, mas quer (potest/vult) fazê-los por meio da humanidade de Cristo e dos sacramentos, esses sinais sensíveis que servem de instrumento para a Sua ação nas almas.
Quem quer colocar-se em contato com a carne de Cristo, portanto, basta que se aproxime dos sacramentos da Igreja. Para ganhar fruto, porém, mais do que simplesmente recebê-los, é preciso fazê-lo com fé, assim como a hemorroíssa do Evangelho tocou com confiança a fímbria do manto de Cristo (cf. Jo 5, 25-34). Os sacramentos são sinais verdadeiramente eficazes da graça de Deus, mas só geram frutos na vida daqueles que se abrem dócil e generosamente à ação divina.

Site Pe. Paulo Ricardo

Por que o latim é a língua oficial da Igreja católica?

latim

E por que Roma é a sua “capital”?

“Católico” significa “universal”, em grego. E a universalidade da Igreja não é meramente geográfica, ligada à sua expansão pelos recantos do mundo inteiro. A sua universalidade vem da vocação divina ao acolhimento de todos os homens, porque o chamado de Deus não exclui pessoa nenhuma.
Para que a mensagem da Igreja fosse universal historicamente, Deus se valeu dos elementos históricos que contextualizavam o nascimento da Igreja e que permitiriam a sua universalidade – muito relevantes, neste sentido, foram a língua e a estrutura do império romano, a realidade humana mais universal da época. A língua desse império era o latim, que, a partir de Roma, se estendeu pelos territórios conquistados – territórios que abrangiam, inclusive, a Palestina dos tempos de Jesus.

Jesus falava latim?
Jesus falava aramaico, a língua do seu povo, mas é provável que tivesse conhecimento também de outros idiomas importantes da época, como o grego e o latim. É o que nos sugere, por exemplo, a conversa entre Jesus e o centurião romano, mencionada por Mateus e Lucas. Só aparecem como testemunhas dessa conversa os discípulos e outras pessoas de nível cultural semelhante ao deles; não teria havido intérprete. É possível que ao menos parte da conversa tenha sido em latim. Também é provável que Jesus tenha usado esta língua para falar com Pôncio Pilatos. Mas não poderia ser o contrário, ou seja, que o centurião e Pilatos falassem aramaico? Certamente é possível, embora seja muito mais comum que aos territórios conquistados seja imposta a língua do império do que os conquistadores falarem a língua de seus dominados. Aliás, o despótico procurador romano Pilatos, alto funcionário de transição do governo de ocupação, tinha a missão, justamente, de consolidar o império naquele território – o que incluiria a expansão do uso do idioma imperial, além da cultura romana e das suas leis e costumes.
Como quer que fosse, se alguns do povo falavam latim, por que não Jesus?

Veículo de expansão
Não parece despropositado que a Divina Providência tenha disposto que Jesus nascesse em um território dominado por um império que viria a se tornar instrumento da rápida expansão do cristianismo, principalmente a partir do século IV, quando, após as muitas e brutais perseguições dos primeiros tempos, o cristianismo finalmente venceu as duríssimas resistências e foi declarado religião oficial de Roma.
Depois de Pentecostes, os apóstolos de Jesus partiram para “conquistar” o mundo. E que mundo eles encontraram? Encontraram um império compacto e organizado, graças, entre outros fatores, à língua franca latina, usada junto com a língua culta de então, o grego.
Foi nesse contexto histórico e conjuntural que o cristianismo se estabeleceu, e foi dele que a Igreja adotou a “forma terrena”: organização, estrutura, direito… E língua.

Roma, “caput mundi”
Roma, então a capital do planeta, foi fecundada pelo sangue de incontáveis mártires cristãos, incluindo o de São Pedro e São Paulo, colunas da Igreja, que ali foram mortos precisamente por testemunharem o Ressuscitado. Foi espontâneo que Roma também se tornasse, terrenamente, a “capital” da Igreja que se formava.

Uma língua capaz de unir e preservar
A Bíblia, os documentos eclesiais e patrísticos e os concílios foram sendo escritos ou traduzidos para o latim a fim de chegarem aos confins geográficos do mundo conhecido.
Ao abraçar todas as nações, e sendo destinada por vocação divina a permanecer até a consumação dos séculos, a Igreja, por sua própria natureza, exigiu uma língua universal, que lhe permitisse a comunicação oficial não só entre os membros de um determinado contexto histórico, mas que também vinculasse os cristãos de todas as épocas.
E o latim é, providencialmente, a língua apropriada: trata-se de uma língua muito – mas muito – precisa e propícia para o aprofundamento nas verdades teológicas e para não desvirtuar o sentido dos textos. Sua condição de língua “morta”, no sentido de não estar sujeita a evolução, lhe confere particular valor para os usos teológicos e litúrgicos, já que é necessário que os significados das palavras se mantenham estáveis, conservando o sentido preciso para leitores de todas as épocas.

Site Aleteia

Ideologia de gênero esvazia o fundamento da família

SimbolosSexos DominioPblico 080416

Diz o Papa em Amoris Laetitia

Na recentemente publicada exortação apostólica Amoris Laetitia, o Papa Francisco apresenta alguns critérios para entender a realidade da ideologia de gênero, nascida com a denominação gender nos Estados Unidos, a qual “nega a diferença e a reciprocidade natural de homem e mulher”.
A ideologia de gênero, explica o Santo Padre no numeral 56 do documento, “prevê uma sociedade sem diferenças de sexo, e esvazia a base antropológica da família”. Além disso, procura uma identidade humana que pode determinar-se de forma individual e ser trocada no tempo.
“Esta ideologia leva a projetos educativos e diretrizes legislativas que promovem uma identidade pessoal e uma intimidade afetiva radicalmente desvinculadas da diversidade biológica entre homem e mulher”, alerta o Pontífice.
A exortação também expõe quão inquietante resultam este tipo de ideologias que “procurarem impor-se como pensamento único que determina até mesmo a educação das crianças” e que ignoram que o sexo biológico e o papel sociocultural do sexo (gênero), embora possam distinguir-se, não podem ser separados.
Por outro lado, lamentou que “a vida humana bem como a paternidade e a maternidade tornaram-se realidades componíveis e decomponíveis, sujeitas de modo prevalecente aos desejos dos indivíduos ou dos casais”.
Esta situação é derivada da “revolução biotecnológica no campo da procriação humana”, a qual introduziu a possibilidade de manipular a geração de uma nova vida separando-a da relação sexual entre homem e mulher.
O Pontífice ressalta que não se devem aceitar ideologias que pretendem partir em dois os aspectos inseparáveis da realidade, para não cair “no pecado de pretender substituir-nos ao Criador”.
“Somos criaturas, não somos onipotentes. A criação precede-nos e deve ser recebida como um dom. Ao mesmo tempo somos chamados a guardar a nossa humanidade, e isto significa, antes de tudo, aceitá-la e respeitá-la como ela foi criada”, sublinhou.
Em abril do 2015, na Audiência Geral na Praça de São Pedro, o Santo Padre destacou que “a diferença sexual está presente em muitas formas de vida, na longa escala dos seres vivos. Mas unicamente no homem e na mulher ela tem em si a imagem e a semelhança de Deus: o texto bíblico repete-o três vezes, em dois versículos”.
“Isto diz-nos que não apenas o homem em si mesmo é imagem de Deus, não só a mulher em si mesma é imagem de Deus, mas também o homem e a mulher, como casal, são imagem de Deus”, indicou o Papa na ocasião.

Site Acidigital

Quais são os efeitos da Misericórdia?

misericordi vida

Ano Santo

Pode-se perceber os efeitos da misericórdia na vida do homem, à partir de experiências práticas
A Igreja Católica prepara um percurso de grande importância: a celebração do Ano Santo Extraordinário da Misericórdia, convocado pelo Papa Francisco. Trata-se de um momento especial, celebrado no âmbito das comunidades de fé, que deve ecoar em todo o mundo, para vencer as muitas violências – física e moral, a corrupção e também a permissividade que contracena com a rigidez de grupos, alimentando fundamentalismos religiosos, políticos e culturais. A vivência desse tempo é oportunidade para tratar feridas que atingem a sociedade como um todo, inclusive a própria Igreja. O remédio para essas enfermidades é a prática da misericórdia.
A misericórdia não é sinal de fraqueza, é qualidade da onipotência divina
A audaciosa convocação do Ano Santo da Misericórdia comprova a intuição singular do Papa Francisco no exercício de sua missão. É pelo caminho da misericórdia que a humanidade alcançará as mudanças e respostas que a contemporaneidade espera, com urgência. É remédio incidente. Pode ocorrer de se pensar, equivocadamente, que agir de modo misericordioso se trata de fraqueza e conivência. Mas, assinala o Papa Francisco, reportando-se a palavras de Santo Tomás de Aquino, que a misericórdia não é sinal de fraqueza, é qualidade da onipotência divina.

Efeitos da misericórdia
O início do Ano Santo da Misericórdia será marcado pela abertura da Porta Santa em Roma, pelo Papa, no dia 8 de dezembro. Nas dioceses do mundo inteiro, no domingo seguinte, dia 13. Essa Porta será aberta para que qualquer pessoa possa entrar e experimentar o amor de Deus que perdoa, consola e dá esperança. Isso significa que a vivência da misericórdia permite regeneração e nova compreensão da vida, um olhar compassivo sobre a humanidade, na direção de cada pessoa. Torna efetiva a possibilidade de se alcançar novos sentimentos e um jeito de viver capazes de desenhar cenários na contramão da violência, da corrupção, da luta insana pelo poder e pelo lucro.
A experiência da misericórdia alimenta a esperança. Permite a compreensão lúcida da fraternidade e da solidariedade como pilares indispensáveis da sociedade. Bases que devem substituir a lógica perversa da economia que gera ganância, raiz de um “desenvolvimento” que recai como peso sobre os ombros de todos, particularmente dos pobres e indefesos. Para encontrar um rumo novo, todos são convocados a compreender que Deus é misericordioso, fonte da misericórdia. E Jesus Cristo é o rosto dessa misericórdia do Pai porque n’Ele, Jesus, a misericórdia se tornou viva, visível e chegou ao seu ápice. Esse é o mistério da fé cristã.

Ato último e supremo pelo qual Deus vem ao encontro de todos
Ser cristão é, portanto, contemplar o mistério da misericórdia, revelado por Jesus Cristo, fonte da alegria, da serenidade e da paz. Uma interpelação incidente, pois permite reconhecer que a misericórdia é o ato último e supremo pelo qual Deus vem ao encontro de todos. Pertinente é a indicação do Papa Francisco, quando sublinha que “a misericórdia é a lei fundamental que mora no coração de cada pessoa, quando vê com olhos sinceros o irmão que encontra no caminho da vida. Misericórdia é o caminho que une Deus e o homem, porque nos abre o coração à esperança de sermos amados para sempre, apesar da limitação de nosso pecado”.

Critério para reconhecer os verdadeiros filhos de Deus
Coluna mestra de sustentação da Igreja, a experiência da misericórdia é indispensável para conseguir respostas novas e transformadoras, diante dos desafios da atualidade. Sem o remédio da misericórdia, crescerão os fundamentalismos, não se controlará a intolerância, haverá sempre mais polarização de grupos políticos e religiosos, um contínuo desgaste da cultura da vida e da paz. Investir na misericórdia começa pela competência indispensável de perdoar, como Jesus indicou a Pedro, ao responder a sua pergunta a respeito de quantas vezes deve-se perdoar. O perdão é núcleo central do Evangelho e da autenticidade da fé cristã. Por isso, Jesus mostra que a misericórdia não é apenas o agir de Deus Pai, mas é o verdadeiro critério para reconhecer quem são os verdadeiros filhos de Deus.
O Ano da Misericórdia, experiência de fé na Igreja, com incidência na vida das famílias e comunidades, marcado por testemunhos, significativos gestos de reconciliação e perdão, é necessário para se alcançar nova etapa no cuidado das fraquezas e dificuldades dos irmãos. Um convite para que se busque a sabedoria da misericórdia. Em lugar de violência e disputas, que surja um tempo novo, pela força da misericórdia e da compaixão.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
O Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte
Site Canção Nova

A Festa da Divina Misericórdia

a-divina-misericordia-frame-

Quando surgiu essa devoção?

Em 22 de fevereiro de 1931, Jesus Cristo apareceu à jovem religiosa de nome Santa Faustina (Helen Kowalska) em Cracóvia, Polônia. Ela vinha de uma família pobre que havia trabalhado muito em sua pequena fazenda durante os terríveis anos da I Guerra Mundial. Irmã Faustina teve apenas três anos de educação muito simples. Suas tarefas eram as mais humildes do convento.
A essa humilde freira, Jesus trouxe uma maravilhosa mensagem de Misericórdia para toda a humanidade. Irmã Faustina nos conta em seu diário:
"À noite, quando eu estava em minha cela, percebi a presença do Senhor Jesus vestido de uma túnica branca. Uma mão estava levantada a fim de abençoar, a outra pousava na altura do peito. Da abertura da túnica no peito saíam dois grandes raios, um vermelho e outro pálido. Em silêncio eu olhei intensamente para o Senhor; minha alma estava tomada pelo espanto, mas também por grande alegria. Depois de um tempo, Jesus me disse: 'Pinta uma imagem de acordo com o que vês, com a inscrição, 'Jesus, eu confio em Vós. Prometo que a alma que venerar esta Imagem não perecerá.'"
Algum tempo depois, Nosso Senhor lhe explicou o significado dos dois raios em destaque na imagem:
"Os dois raios representam o Sangue e a Água. O raio pálido representa a Água, que justifica as almas; o raio vermelho representa o Sangue, que é a vida das almas. Ambos os raios saíram das entranhas de minha Misericórdia quando, na Cruz, o Meu Coração agonizante foi aberto pela lança... Estes raios defendem as almas da ira do meu Pai. Feliz aquele que viver sob a proteção deles, porque não será atingido pelo braço da Justiça de Deus."

Festa da Divina Misericórdia
Jesus disse à Irmã Faustina: "Desejo que a Festa da Misericórdia seja refúgio e abrigo para todas as almas, especialmente para os pobres pecadores. Neste dia estão abertas as entranhas da Minha Misericórdia. Derramo todo um mar de graças sobre aquelas almas que se aproximam da fonte da Minha Misericórdia. A alma que for à confissão e receber a Sagrada Comunhão obterá remissão total das culpas e das penas. Nesse dia estão abertas todas as comportas divinas, pelas quais se derramam as graças. Que nenhuma alma receie vir a Mim, ainda que os seus pecados sejam tão vivos como escarlate... (D 699). "Minha filha, declara que a Festa da Minha Misericórdia brotou das Minhas entranhas para consolação do Mundo inteiro". (D 1517).
Jesus deseja que esta festa seja celebrada no primeiro domingo depois da Páscoa. Atentemos na promessa de Jesus sobre os Sacramentos da Confissão e da Comunhão recebidas nesse dia: são-nos concedidos o perdão total dos pecados e a remissão das correspondentes penas! (D 1109). Trata-se de uma indulgência plenária, como a que recebemos no batismo.

O Sacramento da Confissão
"Filha, quando vieres ao pé dessa fonte da Minha Misericórdia, que é a Santa Confissão, verte sempre na tua alma o Sangue e a Água que saíram do Meu Coração, e enobrece-a. De cada vez que te aproximares da Santa Confissão, mergulha toda na Minha Misericórdia com grande confiança, para que possa derramar na tua alma a abundância da Minha Graça. Quando vieres à Confissão, deves saber que sou Eu mesmo quem espera por ti no confessionário; oculto-Me no sacerdote, mas sou Eu próprio quem atua na alma. É aí que a miséria da alma se encontra com o deus da Misericórdia. Diz ainda às almas que dessa fonte da Misericórdia apenas colhem Graças com o vaso da confiança. E, se for grande a confiança delas, a Minha generosidade não terá limites. As torrentes da Minha Graça inundam as almas humildes. Os orgulhosos hão de permanecer na penúria e na miséria, porquanto a graça se afasta deles em direção aos humildes." (D 1602).
"Diz ás almas onde devem procurar consolos, isto é, no Tribunal da Misericórdia, em que se dão os Meus maiores prodígios, que se renovam sem cessar. Para obter este prodígio não é necessário empreender longa peregrinação, nem realizar exteriormente grande cerimonial; basta aproximarem-se, com fé, dos pés do Meu representante e confessar-lhe a miséria própria: o milagre da Misericórdia de Deus manifestar-se-á em toda a plenitude. Ainda que a alma esteja em decomposição - como um cadáver, e ainda que humanamente já não haja possibilidade de restauração e tudo se encontre perdido, as coisas não são assim para Deus. A maravilha da Misericórdia de Deus fará ressurgir a alma para uma vida plena. Ó pobres, que não aproveitais esse milagre da Misericórdia de Deus! Clamareis em vão, pois então já será tarde demais! (D 1448).

A Santa Comunhão
"Desejo unir-Me às almas humanas; a Minha delícia é unir-Me a elas. Sabe, Minha filha que quando venho pela Sagrada Comunhão ao coração do homem, tenho as mãos cheias de toda a espécie de graças e desejo entregá-las às almas, mas elas nem Me prestam atenção; deixam-Me sozinho e ocupam-se com outras coisas. Oh, quão triste fico por não reconhecerem o Amor!"(D 1385).
Como Me é doloroso que as almas se unam tão pouco a Mim na Santa Comunhão! Eu espero as almas mas elas são indiferentes Comigo. Amo-as tanto e com tanta ternura! Quero enche-las de graças e elas não as querem aceitar. Tratam-me como coisa morta, no entanto o Meu Coração está cheio de amor e de misericórdia."
Escreve para benefício das almas religiosas que a Minha delícia é vir aos seus corações na Sarada Comunhão." (D 1683). "Repara, abandonei o trono do Céu para Me unir a ti. Se o que estás a ver é apenas uma pequena parcela e a tua alma já desfalece de amor, então em que assombro ficará o teu coração, quando Me contemplares em toda a Glória? Porém quero dizer-te que essa vida eterna deve iniciar-se já aqui na Terra pela Sagrada Comunhão. Cada Comunhão torna-te mais capaz de conviver com Deus por toda a eternidade." (D 1810).

Imagem de Jesus Misericordioso
Quando Jesus pediu a Santa Faustina para pintar o quadro da Divina Misericórdia, Ele foi bem claro na inscrição que deveria constar no quadro. Ele disse: pinta uma imagem de acordo com o modelo que estás vendo, com a inscrição: Jesus, eu confio em vós. (D. 47)
O seu confessor teve dúvidas sobre qual frase deveria constar no quadro. E pediu à Santa Faustina que perguntasse qual deveria ser a inscrição no quadro. Santa Faustina promete rezar e depois de obter a resposta dir-lhe-ia: quando saí do confessionário e estava passando diante do Santíssimo Sacramento, recebi a compreensão interior de como devia ser essa inscrição. Jesus me lembrou o que tinha dito na primeira vez, isto é, que três palavras devem ser salientadas. Essas palavras são: Jesus, eu confio em vós. (D. 327)
Por esta frase podemos entender que o essencial do culto da Misericórdia de Deus é a atitude de confiança cristã para com Deus. Nosso Senhor disse: desejo a confiança das minhas criaturas. (D. 1059) Confiar é por toda a sua esperança em Deus, é acreditar que Deus não abandona a sua criatura a si mesma, mas que Deus nos sustenta a todo instante no ser, pois Ele não somente nos dá o ser e a existência, mas também nos dá o dom de agir e nos conduz ao nosso termo. (Catecismo da Igreja Católica 301).
Confiar é tudo esperar dele ao ponto de dizermos no Pai Nosso: O Pão Nosso de cada dia dai-nos hoje. Este DAI-NOS mostra que quem confia, tudo espera do seu Pai, que faz nascer o sol igualmente sobre maus e bons e cair chuva sobre justos e injustos (Mt 5,45). Assim glorificamos Deus nosso Pai, reconhecendo que Ele é bom para além de toda bondade. aprendemos também que é vivendo o dia de hoje, vivendo dia a dia, podemos viver esta profunda atitude de confiança. Porque para Deus só existe o dia de hoje. O seu próprio nome nos indica isso: "Eu sou". Deus é presente. Deus é Hoje. (Catecismo da Igreja Católica 2836)
Dizer "Jesus, eu confio em Vós", é dizer, "Deus é bom", é estar numa atitude de entrega de tudo o que me prende a mim mesmo: pecados, problemas, etc... É saber que, nunca caminhamos sós, porque Ele, com Seu amor infinito e perfeito, cuida de todos nós.

A hora da misericórdia
Em 1933, Deus ofereceu a Irmã Faustina uma impressionante visão de Sua Misericórdia. A Irmã nos conta:
"Vi uma grande luz, e nela Deus Pai. Entre esta luz e a Terra vi Jesus pregado na Cruz de tal maneira que Deus, querendo olhar para a Terra, tinha que olhar através das chagas de Jesus. E compreendi que somente por causa de Jesus Deus está abençoando a Terra ."

Jesus disse à Beata Irmã Faustina:
"Às três horas da tarde implora à Minha Misericórdia, especialmente pelos pecadores, e, ao menos por um breve tempo, reflete sobre a Minha Paixão, especialmente sobre o abandono em que Me encontrei no momento da agonia. Esta é a hora de grande Misericórdia para o mundo inteiro. Permitirei que penetres na Minha tristeza mortal. Nessa hora nada negarei à alma que Me pedir em nome da Minha Paixão." (Diário no. 1320)
"Lembro-te, Minha filha, que todas as vezes que ouvires o bater do relógio, às três horas da tarde, deves mergulhar toda na Minha misericórdia, adorando-a e glorificando-a. Invoca a sua onipotência em favor do mundo inteiro e especialmente dos pobres pecadores, porque nesse momento ela está largamente aberta para cada alma. Nessa hora, conseguirás tudo para ti e para os outros. Naquela hora, ro mundo inteiro recebeu uma grande graça: a Misericórdia venceu a Justiça. Procura rezar nessa hora a Via-Sacra, na medida em que te permitirem os teus deveres, e se não puderes rezar Via-Sacra, entra ao menos por um momento na capela, e adora a meu Coração, que está cheio de Misericórdia no Santíssimo Sacramento. Se não puderes ir à capela, recolhe-te em oração onde estiveres, ainda que seja por um breve momento."
São poucas as almas que contemplam a Minha Paixão com um verdadeiro afeto. Concedo as graças mais abundantes às almas que meditam piedosamente sobre a Minha Paixão."

Oração para as 15h
"Tu expirastes, Jesus, mas a fonte da vida brotou imensamente para as almas, e o oceano de Misericórdia abriu-se para o mundo. Ó fonte de vida, ó Misericórdia Infinita, envolve a nós e a todo o mundo. Ó Sangue e Água que brotastes do Coração de Jesus como uma Fonte de Misericórdia para nós, em Vós confio".

Site Canção Nova Wiki